Lançamento do Sacocô Biomágico Atóxico Weasy – Entrevista com a fundadora

Quem tem cachorro em apartamento sabe o dilema que é lidar com os dejetos. Aqueles que optam por jornal, lidam com o “papel machê do xixi” e as fezes pelo menos uma ve ao dia, descartando geralmente numa sacola que vai para o lixão ou aterro. O mesmo destino tem os tapetes higiênicos descartaveis.

Quem tem o banheiro inteligente Weasy já resolveu o xixi, que vai diretamente para o ralo de esgoto com higiene e praticidade. Mas o descarte do cocô ainda era uma questão que causava desconforto. Muitos optam por jogar no lixo comum numa sacolinha, com peso na consciência de aumentar a pilha nos lixões por séculos, enquanto outros descartam na privada usando papel higiênico, muitas vezes sem saber que no Brasil a rede de esgoto não está preparada para tratar o papel higiênico – ele entope os encanamentos de prédios e da rua, e tem que ser retirado nas estações de tratamento de esgoto.

Os fundadores da Weasy, Fábio e Lara, não estavam satisfeitos com as soluções que o mercado oferecia. Depois de muita pesquisa, encontraram uma primeira saída pra este dilema: neste mês de novembro está sendo lançado o Sacocô Biomágico Atóxico Weasy, um saquinho sanitário pioneiro. O material escolhido é exclusivo, ele se biodegrada completamente em contato com a água sem deixar rastros – por isso é recomendado para descartar as fezes do animal na rede de esgoto através da privada – sem prejudicar encanamentos ou poluir as águas.

Sobre o sacocô biomágico

 

O que é – um saquinho para coleta e descarte responsável e higiênica das fezes animais.

Do que é feito – a película bioplástica do saquinho vem de uma fonte renovável, o eteno. Começa sua vida como um hormônio natural gasoso liberado pelas plantas para amadurecer as frutas.

O que acontece com ele depois do descarte – As sacolinhas de película “plástica” orgânica, quando entram em contato com a água, dissolvem-se sem deixar rastros ou contaminantes em menos de 40 segundos. São totalmente atóxicas e 100% biodegradáveis.

Achamos importante entender, diretamente da fonte, como foi o processo e o que levou a criar este produto. Por isso entrevistamos a Lara, sócia fundadora da Weasy, doglover, mãe do menino Bento e das peludas Pepa e Lili…


Lara, o que te motivou, como tutora, a procurar uma solução?

Desde criança sempre convivi com cães, mas o relacionamento era muito diferente do que temos hoje. Naquela época, com quintal, a forma de limpar era a mais simples possível – e nada ecológica: mangueira e sabão quase todo dia. 

Depois de casada e morando em apartamento, Pepa e Lili chegaram e, com elas, veio uma nova forma de conviver com cães – e de limpar a sujeira que, inevitavelmente, fazem nesta nova configuração. Tínhamos duas opções: garantir que só se aliviassem fora de casa ou proporcionar um cantinho que pudessem usar sempre que tivessem necessidade. Mesmo passeando algumas vezes ao dia, optamos pela segunda opção, que julgamos ser mais gentil com as nossas meninas. Com isso a quantidade de lixo que gerávamos nos incomodou rapidamente. Gastávamos dinheiro com materiais descartáveis e tempo com paliativos nada sustentáveis, sendo que contávamos com todo um sistema de esgoto disponível em casa, para onde os dejetos dos cães poderiam ir de forma fácil, higiênica e ecológica. Assim criamos o Weasy. 

Depois de eliminarmos o maior problema – o xixi – o cocô passou a nos incomodar. Para coletar o cocô do Weasy e descartar na privada usávamos uma pazinha – que tinha que ser lavada após a coleta – mas sabíamos que a maioria das pessoas usa papel higiênico ou saquinhos plásticos. Pensamos: por que não desenvolver uma forma de coleta e descarte ecológicos para o cocô também?

Depois de muita pesquisa e testes com materiais diversos, conseguimos desenvolver um produto que soluciona completamente o problema do cocô sem gerar mais lixo. Desta forma, como tutores, solucionamos os grandes geradores de lixo dentro de casa: o xixi e o cocô dos nossos bichinhos agora são destinados às estações de tratamento.

Como a empresa encarou este desafio?

Somos inquietos com o status quo e não medimos esforços para plantar sementes de mudanças. 

O Sacocô que desenvolvemos está longe de ser uma decisão comercial rentável. O material que usamos é produzido em pequena escala, não possui produção nacional, e é extremamente caro. Mas acreditamos que a provocação que trazemos ao apresentarmos uma nova forma de descartar dejetos com mínimo impacto ambiental seja valiosa. Queremos que as pessoas se questionem, e que este movimento se estenda ao mercado. Só serão oferecidos produtos que as pessoas querem consumir. Por isso, quanto maior a consciência, maior a qualidade dos artigos disponíveis. 


Qual a premissa, do quê Weasy não abriu mão, durante a busca por fornecedores e o desenvolvimento?

De onde vem e para onde vai o produto que comercializamos. Buscamos fornecedores conscientes, materiais de altíssima qualidade e resultados mágicos 🙂
Não abrimos mão da responsabilidade desde a produção e embalagem até o uso e descarte final.

Como está sendo a repercussão deste lançamento?

Estamos felizes com a forma como as pessoas estão recebendo esta nova ideia. Muitas vezes lidamos com pequenos incômodos diários, pois fazer diferente não é possível – ou demanda muito esforço. Acreditamos que atacamos um desses incômodos com os Sacocôs Biomágicos. 
Enxergar uma nova possibilidade dá aquele quentinho no coração. É isso que buscamos sempre!

Quais os próximos passos da empresa?

Temos muitos planos e lançamentos disruptivos engatilhados. Nosso foco atualmente é direcionado para essa nova configuração familiar – pets são da família e precisam ser tratados como tal. Queremos que o tempo nas famílias seja melhor aproveitado, sem ser desperdiçado com atividades que não trazem felicidade. Por isso queremos trazer soluções inteligentes, que minimizem o tempo perdido e o impacto ambiental. 
Seguiremos questionadores, inconformados e criativos. E estamos cada dia melhores acompanhados nesta busca. S2

O Saquinho Biomágico Atóxico você pode comprar aqui. Cada saquinho tem 9,5 cm x 15 cm e os pacotinhos para venda têm 20 unidades. Você pode comprar o combo promocional de 40 com um desconto 😉 

Por enquanto a recomendação é o uso em fezes sólidas apenas, e preferencialmente dentro de casa para evitar que o saquinho derreta em contato prolongado com a mão ou o cocô. Mas se prepara, que soubemos na entrevista que vem mais novidade nesta área, ainda este ano!

Publicado em 29 de novembro de 2018

Conteúdo: Amanda Talhari

Direção de Arte: Ana Cossermelli

Deixe uma resposta